As crises de birra fazem parte do desenvolvimento normal da criança na idade pré-escolar entre 2 e 6 anos de idade. Não são sinais de algum distúrbio, as crises são manifestações de frustração ou raiva que ocorrem ocasionalmente, mas principalmente entre 2 e 3 anos de idade. A criança ainda não tem o controle total das suas emoções nem noção de limites, ela na tentativa de obter o que quer acaba gritando, chorando e se jogando no chão. Normalmente, essas crises diminuem de intensidade e frequência em torno dos 4 ou 5 anos.

Nessa fase, a criança quer fazer as próprias escolhas, muitas vezes, tenta realizar suas vontades e desejos através do choro, das birras ou acessos de raiva. Estabelecer limites é fundamental para a educação da criança. Evite atitudes agressivas como bater ou gritar! Os castigos leves como não dar à criança algo que ela deseja, são uma boa e coerente opção. Algumas dicas para conter as crises:

  • No início da crise de birra, distrair a criança e desviar a sua atenção para outro foco mais pertinente. Mudar totalmente o assunto, inventar histórias, cantar música ou propor uma brincadeira diferente;
  • Se a tentativa de distração não der certo, ignorar a crise de birra em vez de puni-la fortemente, pois a punição pode encorajá-la a repetir tal comportamento;
  • Procure fingir que não está se incomodando com a atitude da criança, mesmo que outras pessoas ao redor estejam olhando e pedindo que você tome uma providência. A criança sempre faz uma crise de birra para chamar a atenção dos pais;
  • Se a crise de birra ocorrer em público e a situação ficar embaraçosa, retirar a criança do ambiente. Leve-a para um local mais calmo e deixe-a gritar e espernear a vontade. Fique próxima da criança mas sem dar atenção. Quando ela se acalmar, volte as atividades normalmente sem dar broncas;
  • Não perder a calma no momento da crise. Não faça a vontade da criança, mas também não grite nem agrida fisicamente. Alguns distúrbios de personalidade podem resultar de repreensões rígidas e violentas demais na infância.
  • Se a crise de birra for acompanhada de atitude agressiva por parte da criança, dizer imediatamente que ela está errada e retirá-la do ambiente. Reprenda-a com poucas palavras e de forma direta, pois ela ainda não compreende explicações complicadas. Não faça sermões!
  • Não deixe para chamar a atenção da criança em um momento posterior da birra ou da agressão física porque a criança não entenderá a relação da bronca com os atos cometidos;
  • Se possível, identifique os locais e as situações que provocam as crises de birra e tente evitá-los.

Fonte: Livro Filhos: de 2 a 10 anos de idade
Pediatras da Sociedade Brasileira de Pediatria. Editora Manole 2011.